A Segunda Guerra Mundial teve grande impacto no Brasil.

O esforço de guerra melhorou nossas instalações portuárias, deixou-nos com novos aeródromos, de Belém ao Rio de Janeiro, bem como ferrovias reformadas; estimulou a manufatura, agricultura e mineração, e pôs em marcha a nossa indústria siderúrgica.

As Forças Armadas do Brasil adquiriram experiência em combate e se familiarizaram com equipamentos mais modernos. Nossa estatura diplomática atingiu novos patamares e nossos líderes previam um papel cada vez maior do país na política mundial.

A Segunda Guerra Mundial criou as bases sobre as quais o Brasil ergueria o notável desenvolvimento nas próximas décadas.

Em 1945, os então 40 milhões de brasileiros, tinham fortes razões para se orgulharem das contribuições do nosso país à vitória dos Aliados.

Brasil Segunda Guerra Mundial
Um Expedicionário na sua volta ao Brasil. 1945

Contudo, apesar de termos abrigado em Natal, a maior base aérea dos Estados Unidos fora de seu próprio território e, em Recife, a Quarta Frota dos EUA; e apesar de termos ligado a nossa economia à máquina de guerra norte-americana, mandado nossa marinha à caça dos U-boats alemães e enviado uma Força Expedicionária e um Esquadrão de Caças para a Frente Italiana, a participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial, de alguma forma misteriosa, desapareceu da memória popular, tanto no exterior quanto dentro das nossas fronteiras.

É compreensível que os povos estrangeiros ignorem o papel do Brasil na Segunda Guerra Mundial, afinal eles tem os seus próprios heróis para cultuar, quanto a nós, entretanto, é inaceitável que conheçamos tão pouco, praticamente nada, sobre a participação brasileira no conflito que forjou o mundo moderno.

Essa postagem é minha humilde homenagem à memória dos homens e mulheres que defenderam os interesses do Brasil durante a Segunda Guerra Mundial.

Pracinhas Segunda Guerra Mundial
Soldados brasileiros da Força Expedicionária Brasileira (FEB), disparam um morteiro de 81 mm nas posições alemãs inimigas durante os ataques finais da Ofensiva da Primavera de 1945 da Campanha Italiana. A campanha começaria em 6 de abril de 1945 e terminaria oficialmente em 2 de maio de 1945, após a assinatura formal da rendição de Caserta em 29 de abril de 1945. Fotografia tomada em Sassomolare, Província de Bolonha, Emília-Romanha, Itália. Abril de 1945



Brasil II Guerra Mundial
Soldados brasileiros da Força Expedicionária Brasileira improvisam uma roda de samba durante uma calmaria na Campanha Italiana. O Brasil foi o único país soberano da América do Sul a enviar forças para lutar no teatro europeu da guerra. Foto tirada perto de Pisa, Toscana, Itália. 15 de setembro de 1944.


Brasil Segunda Guerra
Três Martin PBM Mariner, hidroaviões americanos, patrulham a Baía da Guanabara. Ao fundo vê-se o Corcovado. Fotografia tomada em 1 de fevereiro de 1944.



Brasil WW2
O tenente Belarmino Jayme Mendonça natural do Rio de Janeiro (RJ), então no comando do 2º Pelotão do Esquadrão de Reconhecimento da FEB, conferencia com o Capitão Alan R. Guttridge, comandante americano de um dos tanques Shermann que operavam com o esquadrão no Vale do Rio Sercchio em 1944.


Brasil Segunda Guerra Mundial
Chegada do General Otto Fretter-Pico, da 148ª Divisão de Infantaria Alemã, para se entregar ao General Olympio Falconiére da Cunha. Pico fez-se acompanhar por 31 oficiais do seu Estado Maior e foi o último a se entregar.


Pracinhas Segunda Guerra Mundial
Soldados alemães se apresentam no posto de recebimento de prisioneiros do Brasil.


FEB Segunda Guerra Mundial
Brasileiro vigia prisioneiros alemães que descansam em um pasto onde deixaram os cavalos que usavam nos Apeninos.



Pracinhas Segunda Guerra Mundial
General-de-Divisão Eurico Gaspar Dutra (esquerda) Ministro de Guerra e o General-De-Divisão Mascarenhas de Moraes, Comandante da Força Expedicionária, posam no alçapão de um tanque no qual fizeram uma viagem de inspeção à IV Corporação.


Enfermeiras brasileiras Segunda Guerra
Corpo de Enfermeiras da FEB designado para servir num hospital americano, atendendo aos doentes e feridos. 16º Hospital de Evacuação, Pistóia. Itália. 10 de março de 1945.


Brasil Segunda Guerra Mundial
O Capitão Vernom Walters canta com os Pracinhas o Hino Brasileiro na Itália.


Brasil Segunda Guerra Mundial
Embarque da FAB junto com Pracinhas para a Itália.


Brasil Segunda Guerra Mundial
Soldados brasileiros no rigoroso inverno italiano de 1945.


Brasil Segunda Guerra Mundial
Senta a Púa — Piloto da FAB inspeciona sua aeronave antes de uma missão.


Brasil WW2
O anglo-brasileiro Francis Hallawell, o ‘Chico da BBC’, usava um aparelho que pesava uns 15 quilos para gravar - em disco - os sons dos soldados nos alojamentos da FEB.


Brasil Segunda Guerra Mundial
Um sargento da FEB concede uma entrevista logo após o desembarque no Brasil em 1945, bebendo uma Coca-Cola.



Brasil Segunda Guerra Mundial
O General Critemberger, com a carta topográfica, mostra ao General Dutra a área de atuação da FEB no vale do rio Sercchio. Também estão na fotografia os generais Mascarenhas e Zenóbio. Itália. 1944.


Brasil Segunda Guerra Mundial
O General Zenóbio supervisiona o interrogatório de prisioneiros de guerra alemães sob a custódia da FEB.


Brasil Segunda Guerra Mundial
O soldados a serviço da saúde estão entre os menos lembrados. Para os expedicionários eles nunca serão esquecidos.Eram soldados que combatiam sem armas, e que tinham a missão de resgatar, atender, transportar feridos para a segurança da retaguarda e muitas vezes sob fogo inimigo. A FEB perdeu oito padioleiros na Segunda Guerra Mundial.


Brasil Segunda Guerra Mundial
Fotografia do 1º Grupo de Aviação de Caça em maio de 1945, já em solo italiano, durante a Segunda Guerra Mundial.


Brasil Segunda Guerra Mundial
P-47s da FAB na Itália, da Esquadrilha Azul, do 1° Grupo de Caça, prestes a decolar para uma missão na Itália.


Brasil Segunda Guerra
Grande Otelo com enfermeiras da FEB. Rio de Janeiro. Julho de 1944.


Brasil Segunda Guerra Mundial
Brasileiros da Força Expedicionária Brasileira, fazem o sinal da vitória antes de partirem para lutar na campanha italiana.


Brasil Segunda Guerra Mundial
Um soldado da Força Expedicionária Brasileira (FEB) dá um beijo de adeus no seu filho em uma estação de trem, na partida para a Europa, onde lutaria na Campanha da Itália. O Brasil se juntou aos Aliados ao declarar guerra às nações do Eixo em 1942. Foi a única nação sul-americana soberana a enviar tropas para lutar no continente europeu. Rio de Janeiro, Brasil, agosto de 1944.


cobra fumando
O pracinha Francisco de Paula com um cartucho de artilharia onde se lê “A cobra está fumando”. Costumeiramente, atribui-se ao pracinha De Paula o mérito do primeiro tiro brasileiro disparado na guerra, embora esta afirmação pareça não ter procedência.


Brasil Segunda Guerra Mundial
Soldados da Artilharia Costeira Brasileira guardando o Forte Copacabana. O Brasil juntou-se aos Aliados e declarou guerra ao Eixo em agosto de 1942, sendo o único país sul-americano independente a enviar tropas terrestres para lutar na Segunda Guerra Mundial. Forte Copacabana, Rio de Janeiro, Brasil. 16 de setembro de 1943.


Brasil 2 Guerra
Soldados da Força Expedicionária Brasileira (FEB) sendo saudados por moradores de Massarosa, na Itália, no final de setembro de 1944.


Brasil Segunda Guerra Mundial
Soldados da FEB comemoram o 7 de setembro na Itália durante a II Guerra Mundial, 1944. Arquivo Nacional.


Brasil Segunda Guerra Mundial
O caça-bombardeiro P-47 foi um avião de fabricação americana, usado por várias Forças Aéreas aliadas durante a Segunda Guerra Mundial. Na foto, o modelo D utilizado pelo 1º Grupo de Caça da FAB na Itália.


Brasil Segunda Guerra Mundial
Escalão da FEB retornando para o Brasil do Porto de Nápoles. Ao fundo o vulcão Vesúvio


Para saber mais sobre nossos heróis na Segunda Guerra Mundial:

► O Resgate da Força Expedicionária Brasileira

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem