Sou fascinado por  personagens históricos, especialmente militares e exploradores. Apesar de muitos desses personagens carregarem o epíteto de heróis, poucos realmente merecem tal distinção. Uma dessas  raras exceções é Paul Emil von Lettow-Vorbeck, comandante de um pequeno exército alemão - em grande parte composta de soldados negros - que lutou contra o Império britânico na África Oriental durante a Primeira Guerra Mundial.

Bundesarchiv_B_145_Bild-P008268,_General_Paul_von_Lettow-Vorbeck

Um mestre da guerra de guerrilha, o general von Lettow-Vorbeck viveu por  um código de  guerreiro de cavalaria incorporando honra, respeito pelos inimigos e tratamento humanitário dos seus homens, bem como civis. Durante uma guerra mundial em que o Exército dos EUA ativamente discriminava soldados negros, Von Lettow-Vorbeck tratava seus africanos askaris da mesma maneira que os soldados alemães brancos sob seu comando. Sua fluência na língua suaíli granjeou o respeito e a  admiração de seus soldados africanos; nomeou oficiais negros e costumava afirmar: "Aqui, somos todos africanos".


Bundesarchiv_Bild_105-DOA3056,_Deutsch-Ostafrika,_Askarikompanie

Paul von Lettow-Vorbeck nunca comandou mais de 14 mil homens, mas em quatro anos, fez gato-sapato de 300 mil soldados e 130 generais, infligindo mais de 60 mil baixas . Nunca foi vencido, e só se rendeu depois de receber a notícia sobre o Armistício, em Novembro de 1918.  Retornando à Alemanha como um herói nacional, Von Lettow-Vorbeck tornou-se ativo na política e tentou estabelecer uma oposição conservadora contra os nazistas.

Quando Hitler lhe ofereceu uma embaixada  em 1935, tentando comprar a sua lealdade, ele mandou Hitler se fuder. Apesar de repetidamente assediado pelos nazistas, ele sobreviveu ao regime, devido à sua popularidade como um verdadeiro herói do velho império alemão.

Depois da II Guerra Mundial, onde perdeu seus dois filhos em combate, Von Lettow sofreu, como todos os alemães, a penúria do seu país. Quando Jan Smuts, um antigo adversário, soube da situação difícil do velho general alemão, instituiu com outros oficias britânicos e sul-africanos um fundo através do qual lhe foi paga uma pequena pensão até à sua morte, em 1964, aos 94 anos de idade.

2 Comentários

  1. HAHAHA, putz, um conhecido soldado alemão q tinha um exército de negros,,. pense o que não doía na alma do Tio Adolf não poder matar esse cara, grande curiosidade!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um exercito fudido de negros, que ganhava todas...
      Chupa hitler...

      Excluir

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem