A maioria dos cientistas considera ridícula, mesmo que por um simples exercício da imaginação,  a ideia de que a ciência, uma conquista humana construída na lógica e na razão, possa ter algo em comum com a religião.

Os fiéis, por outro lado, relutam em  discutir a hipótese de que a ciência, quase sempre ateísta, possa ser comparada à religião, uma instituição que busca a união com o divino.

Mas vamos comparar as duas com mente aberta e objetiva, e vamos ver se elas são mesmo tão diferentes no final das contas.

michelangelo_adão e Deus


 10 — O homem como centro do universo

É compreensível que a religião queira colocar o homem no centro do universo, mas para a ciência, tal atitude não é condizente. No entanto, um grande número de astrofísicos e cosmólogos estão ansiosos para falar sobre como o universo está em conformidade com o “princípio antrópico”.

O antropocentrismo, a suposição de que os seres humanos são os protagonistas no palco do universo, é abundante nas ciências, como é na religião, embora não exista absolutamente nenhuma razão científica para crer  que nós sejamos mais importantes  do que as lesmas, golfinhos ou qualquer outra criatura deste planeta.


9 — A ciência não tolera heresias

A ciência, como muitos religiosos fundamentalistas,  comporta-se zelosamente contra qualquer outra maneira de pensar que não siga os dogmas por ela impostos.  É como se a  ciência  dissesse a seus seguidores: “Você não deve ter outros deuses diante de mim”.

Se você tem alguma dúvida, tente pedir  licença em uma convenção científica para fazer uma oração.

A partir desse momento você será chamado de cientista teísta. Um herege. Um miasma. Uma abominação. Um exemplo é o de Kurt Gödel, visto circulando em Princeton após sua prova ontológica de Deus.


8 — A ciência reverencia seus próprios mártires

O panteão de  mártires da ciência pode ser pequeno, mas seus membros são reverenciados como cientistas muito maiores do que eles realmente foram. Tome Galileu Galilei, por exemplo, o santo padroeiro de todos os cientistas perseguidos por ordens religiosas.

Ele, na verdade, pouco contribuiu para a ciência: a maioria de suas realizações foram técnicas, como a melhoria de telescópios. O sistema heliocêntrico, que algumas creditam ao cientista italiano, já era conhecido desde o século IV AC.

evolução do homem
 

7 — A ciência inventa histórias para explicar nossas origens

Os sumérios, os babilônios, os gregos, os chineses, os astecas, todos tinham mitos sobre a criação, provavelmente inventados em torno do  fogo, numa boa noite de contação de histórias. Todos eles levavam esses mitos  muito a sério.

Agora, é claro, temos a ciência para explicar as nossas origens.

O que acontece porém, é que ela não tem as respostas, então  as inventa. Big Bang, seleção natural, evolução, nada disso pode ser provado cientificamente, é mais falácia do que ciência, é mais fantasia do que verdade empírica.


6 — A ciência tem seu próprio código de ética

Existem leis do direito, e há leis morais. E agora, de acordo com a ciência, há “leis de conduta científica”. Todos os tipos de atrocidades são cometidas em nome da ciência.

Um médico, por exemplo, pode ser coagido a dar um medicamento novo a um número de seus pacientes em um teste de drogas, sabendo que eles vão sofrer ou morrer mais cedo do que se tivessem recebido tratamento convencional.

A justificativa é que o avanço científico tem precedência sobre a moralidade pessoal.

5 — A ciência tem seu próprio sacerdócio

Newton, Darwin e Einstein formam a santa trindade da ciência ocidental. E abaixo estão os deuses menores: Watson, Crick, Dawkins, Hawking, Dennet, Chomsky, Penrose e Sagan. E então você tem os principais sacerdotes: os vencedores do Prêmio Nobel, os escritores populares e as celebridades da mídia.

As opiniões deles são recebidas como sermões,  as suas declarações são citadas como textos sagrados. As pessoas comuns são ridicularizadas se duvidarem das interpretações do sacerdócio.

Mesmo para um cientista, questionar um membro de um nível superior é arriscar-se a cair em desgraça, a ser condenado ao ostracismo.

isaac-newton

4 — A ciência é baseada em dogmas estabelecidos

Já se perguntou como no passado, os melhores médicos  insistiam em certos tratamentos sem nunca perceber que seus pacientes pioravam? A resposta: a crença em tais tratamentos fazia parte do dogma científico da época.

Hoje não é tão diferente. Há dogmas e mais dogmas científicos. Qualquer um que questione tais dogmas é simplesmente rejeitado e ignorado, ou ridicularizado por tanto tempo quanto possível. A ciência, portanto, tem as mesmas características de uma religião fundamentalista.


3 — A ciência se adapta para acomodar tendências modernas

Se você acha que os cientistas estão imunes à pressão de agradar a opinião pública; pense novamente. Eu não estou levando em conta os anúncios feitos por cientistas sob regimes totalitários, porque considero que estes, é claro, foram forçados.

Em vez disso, usarei a abordagem científica à homossexualidade. Ela estava incluída na lista de distúrbios de personalidade do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais  até a sua edição de 1973.

Em seguida, foi removida apenas para ser substituída, um ano depois, por uma variante próxima, antes de ser removida completamente em 1986. A que evidências científicas se basearam as decisões de mudança,  incluindo ou excluindo a homossexualidade entre os transtornos mentais?

 A opinião pública, apoiada por “evidência empírica” ​​conveniente, desempenhou o papel fundamental nessa “conclusão científica”.


2 — A maioria das teorias científicas é infundada

Matéria escura, energia escura, big bang, antimatéria,  tudo soa como histórias plausíveis, porém, não há prova real para qualquer uma dessas teorias.

É isso mesmo — não há nenhuma prova para a existência de 96% daquilo que a ciência acha ser o universo.

As teorias que supostamente explicam tudo (nós os chamamos de teorias para evitar chamar-lhes de estórias) são aceitas por nós  como verdade. Por quê? Você perguntará.

Porque temos fé — o que me leva ao  ponto final.

universo


 1 — A ciência exige fé

Até mesmo cientistas altamente especializados, muitas vezes, seguem uma determinada linha de pensamento, e exploram as implicações de determinada teoria, rejeitando outras, com base em nada mais do que preferências intuitivas.

A maioria das pessoas que rejeitam a religião afirmam ter feito isso em favor das razoáveis e claras respostas fornecidas pela lógica e pela ciência. Quando lhes pedirem para explicar a origem do universo, elas mencionarão o Big Bang; quando lhes pedirem para explicar a origem dos seres humanos, elas vão citar a evolução.

Quando pressionadas para explicar as teorias acima, no entanto, elas logo percebem que  realmente entendem muito pouco do assunto.

Elas estavam demonstrando fé cega ao aceitar  teorias sem compreendê-las plenamente.

Se você não entende algo, mas  aceita esse algo como a verdade, então você é simplesmente um crente — uma pessoa conduzida pela fé — você estará  bem no centro do território da religião.

12 Comentários

  1. Prefiro acreditar na ciencia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vc falou exatamente o ponto chave do post... se a ciencia não comprova e vc mesmo assim acredita... isto é fé... exatamente como a religão...

      Excluir
  2. Anônimo8/1/13

    Na realidade a maioria das pessoas não são capazes de entender a ciência, não tem conhecimentos suficiente para tal...
    Você diz que o bing bang é um devaneio, mas mau entende como funciona um rádio de pilhas...
    A ciência parece distante para os analfabetos científicos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade eu entendo muito bem sobre funcionamento de um rádio, meu pai consertava aparelhos eletrônicos e meu primeiro emprego foi na oficina dele.

      Excluir
    2. Eu tenho curso superior em eletronica e entendo muito bem como funciona um radio a pilha, mas não entendo o big bang... espero que vc entenda muito bem o big bang pq se não vc apenas acredita nele pela fé... e vai ser apenas mais um idiota que se acha inteligente pq se diz ateu...

      então use a sua inteligencia superior e faça um post explicando o big bang e mande pra postar nesse blog... nos analfabetos agradeceremos..

      Excluir
    3. cehsarus - o nome big bang se manteve apenas por razões de popularidade do nome. a teoria não fala nada sobre explosões, e menos ainda sobre o exato momento inicial, a teoria considera uma grande expansão, e nós podemos analisar o que ocorreu apenas alguns instantes após a expansão inicial, isso utilizando evidencias como a radiação cósmica de fundo... se vc quer pensar que antes disso estava deus tomando chá e decidiu expandir tudo aí é problema seu...eu já acho bobo. e pensar no que estava antes é sem sentido já que não tem como nós analisarmos isso jamais, pois o desenvolvimento do espaço-tempo se deu após o "big bang"...

      Excluir
  3. A ciência prova, religião não, fim de papo.

    ResponderExcluir
  4. Quem foi o padre que escreveu esse texto? uahhua. Percebe-se que não tem nenhum contato com ciência e está falando de uma ciência estereotipada de sua cabeça. A parte mais bizarra é a 7,é ai que percebemos que é apenas um religioso que tem medo da ciência pois ela costuma desmentir vários fatos religiosos. Chamar o Big Bang e a teoria da evolução de invenção e comparar isso com fabulas de cobras e jumentos falantes é demais.A ciência nunca afirma ter uma resposta absoluta e é isso que é diferencia do resto e que algumas pessoas não entendem. Com o nosso conhecimento (através de dados e fatos científicos) formulamos teorias de como o mundo funciona, e com o tempo elas teoria mudam e vão se aperfeiçoando, mesmo que uma teoria pareça improvável ele é aceita até que achem um modelo melhor, o que acontece muito na física quântica. Esses exemplos que você citou estão muito longe de ser esse caso. Agora se temos uma teoria com vários anos de pesquisa, dados, estatísticas, experimentos e comprovações e a chamamos de infundada, do que vamos chamar a explicação da religião? Textos que foram escritos por pessoas da idade do bronze que achavam que a terra era quadrada e escreviam tudo na base do chute sem testes e modelo nenhum. Você está cometendo a falácia de achar que só porque a ciência não tem uma resposta absoluta qualquer resposta é valida, é o mesmo que dizer que eu tenho um copo cheio de bolas de gude e através do conhecimento do tamanho de uma bola eu suponho que la dentro tenham 25 bolas e você me diz que seu amigo invisível se contou que la tem mil bolas de gude, mesmo que nenhuma esteja certo a com 25 é a melhor opção. Então mesmo que a teoria do Big Bang, por exemplo, esteja errada ela é hoje com certeza o melhor que temos com nosso conhecimento atual, e com certeza não é infundada

    ResponderExcluir
  5. Não é o mesmo tipo de fé. Na Ciência a "fé" é apenas uma aposta inicial que deve ser investigada até a exaustão e se sobrar alguma coisa em pé, então teremos uma boa hipótese científica. A fé da religião é o ponto final, sem mais perguntas e investigações. Muito diferente, de fato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma fé semelhante sim! Se acha que não vou te enumerar algumas razões porque a evolução, seleção natural e big bang são apenas teorias:
      1) não existem até hoje achados arqueológicos (o famoso elo perdido de transição entre homem e macaco) que comprovem esta teoria e há pouco tempo a análise mitocondrial comprovou que um grupo pequeno de humanos deu origem a humanidade (conforme relatos semelhantes de variados e distantes civilizações antigas:isto também é considerado evidência segundo arqueólogos).
      2)a seleção natural em conjunto com a evolução não explica certas características dos seres humanos como o altruísmo (veja artigo "Confusion over evolution" do NYT.
      3)big bang se baseia em observações de que o universo se expande mas não há garantia de que isto foi sempre assim e lá surge a famosa suposição. Afinal se um dia puderem comprovar o contrário provavelmente já terá morrido o autor.
      Há outras mas meu tempo é curto. Mas você pode buscar outras fontes. Saudações

      Excluir
  6. Piada isso, né? Já pode rir:
    1)
    Dizer que Matéria Escura é infundado é errado, uma vez que temos indícios experimentais que ela existe, é justamente a parte TEÓRICA que falta, para explicar o porquê.

    2)
    Dizer que ant-matéira é infundado, que "é só uma teoria, para não dizer estória" é totalmente errado, uma vez que além do fundamento teórico, a partir de simetrias da natureza, onde é EXIGIDA a existência de matéria escura no universo pela teoria, temos a comprovação experimental.

    3)Dizer que o Big Bang é infundado é analfabetismo cientifico, uma fez que sabemos através de evidências que o universo teve sim, um inicio, tentamos desvendar como foi, e como primeira aproximação o Big Bang é o que melhor o faz.


    Traduzindo em miúdos, quem escreveu este texto, é um ignorante, puro e completo.

    ResponderExcluir
  7. Zeca, você está correto em chamar uma teoría científica de uma “aposta” e concluir com “hipótese”. Ou seja, uma possibilidade não comprovada. Nada de errado nisso. O problema está na lavagem celebral que ocorre na população atual, instigada pela mídia e educadores ultra-liberais, em que se assume de uma forma cega que tudo que se propaga em nome da ciência é fato, comprovado e sem a menor necessidade de questionar. Quanto à fé que se vê no cristianismo, ela é adotada baseando-se em fatos concretos e comprovados. Esses fatos porem, são de carater pessoal. A pessoa sente na própria vida que algo mudou. O vazio que sentia se foi. Finalmente a vida faz sentido. É por isso que bilhões de pessoas, de todas classes sociais e econômicas, de todos níveis escolares, aceitam essa proposta de vida ao experimentar e confirmar que realmente é verdade. Mas aquele que não experimenta não entende. Abraços.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem