Ter certeza da gravidez é importante para a mulher. Ela pode preparar-se mentalmente para a gestação, pode  evitar o uso de álcool e  outras drogas e até mesmo fazer os ajustes econômicos para a nova situação. Hoje em dia, em qualquer farmácia se encontram testes simples e confiáveis para gravidez, mas nem sempre foi assim.
Como você pode imaginar, a história do mundo está cheia de técnicas bizarras que foram usadas para testar a gravidez humana.

gravidez


Na Antiguidade, gregos e egípcios usavam um método bastante peculiar para confirmar a gravidez. A mulher deveria colocar um pouco de cevada e um pouco de trigo em dois sacos de tecido, nos dia seguintes ela misturava a urina com os cereais de modo uniforme. Se ambos os grãos germinassem; gravidez confirmada, caso não houvesse germinação; alarme falso. O teste tinha ainda requintes de sofisticação: se somente o trigo germinasse, a futura mamãe teria uma menina; agora, se apenas a cevada germinasse; menino na certa.
Hipócrates, o Pai da Medicina, receitava para as pacientes desconfiadas de gravidez uma fórmula  mais simples: bastava que a mulher bebesse, antes de dormir, mel diluído em água. Caso ela tivesse cólicas abdominais, não havia dúvida, ela estava grávida.


Hoogstraten_Samuel_van-The_Anaemic_Lady

Na Idade Média, o método usado era a uroscopia, ou seja: a análise visual da urina.  O quadro A Dama Anêmica, retrata a cena de uma uroscopia. Nele podemos observar uma mulher pálida e prostrada, sentada sobre uma cadeira, com as mãos unidas. O motivo de uma pessoa com as mãos entrecruzadas, como nesta pintura, é recorrente no mundo das artes, sendo que a intenção do artista é mostrar que o personagem está vulnerável, sem condições de tomar qualquer tipo de atitude. Tais sintomas, na época, eram associados à gravidez. No fundo, podemos observar um médico analisando a urina com a intenção de descobrir se a paciente está grávida. O homem ao lado do médico, provavelmente marido da paciente, observa atentamente.


teste_coelho
Foram dois ginecologistas alemães: Selmar Aschheim e Bernhard Zondek, que começaram a usar o hormônio gonadotrofina coriônica humana (HCG) em testes de gravidez. É aí que os coelhos entraram na história, ou para ser mais exato, as coelhas.
Em 1927, os dois médicos criaram o teste do coelho. O teste consistia em injetar a urina da mulher nos ovários da coelha, o animal era então examinado pelos próximos dias, se apresentasse mudanças no metabolismo, significava que havia HCG na urina da doadora humana. Embora a confirmação do teste pudesse ser feita mantendo os animais vivos, eles eram sacrificados, já que os custos de uma cirurgia tornariam o procedimento inviável economicamente.
Apesar do aspecto bizarro, o teste do coelho detectava a gravidez com precisão, sendo amplamente usado nos Estados Unidos de 1930 a 1950.
Com o tempo, criou-se o mito de que se a coelha morresse, a gravidez era certa, com isso a frase: O coelho morreu ( em inglês, é claro ) tornou-se um eufemismo para se dar a notícia da gravidez.


test_embarazo

O HCG continua a ser usado em testes de gravidez, mas graças aos avanços da ciência, o uso de animais é coisa do passado. Os coelhos agradecem.

3 Comentários

  1. nossa, muito curioso! eu não sabia de nenhum desses métodos hehe

    ResponderExcluir
  2. ouvi uma história certa vez, pra mulher saber se estava grávida era só urinar em cima de um sapo, se ele morrese era positivo.

    ResponderExcluir
  3. Dianafereira21/9/12

     eu fiz o da panela deu positivo ja o do cloro deu negativo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem